11 de dezembro de 2008

assuntos proibidos

Em pouco tempo, quase todo assunto sobre o qual eles podem querer falar fica associado com mais uma cena desagradável e se torna um assunto do qual não podem mais falar. E assim, à medida que o tempo passa, há cada vez menos coisas sobre as quais eles podem falar em segurança e, mais cedo ou mais tarde, resta pouco mais além das notícias e do que eles estão lendo, mas nem tudo o que estão lendo. Não podem falar a respeito de certas pessoas da familia dela, das horas de trabalho dele, das horas de trabalho dela, de coelhos, ratos, cachorros, de certas comidas, de certas universidades, de água quente, de temperatura quente e fria no quarto, tanto de dia como de noite, de luzes acesas e luzes apagadas no anoitecer no verão, do piano, de música em geral, do quanto dinheiro ele ganha, do quanto ela ganha, do que ela gasta etc. Mas um dia, depois de falarem sobre um assunto proibido, ainda que não seja o mais perigoso nem o mais proibido dos assuntos, ela se dá conta de que talvez seja possível, as vezes, dizer alguma coisa tranquila e cautelosa sobre um assunto proibido, de modo que possa de novo tornar-se um assunto sobre o qual se pode falar, e depois dizer algo tranquilo e cauteloso sobre outro assunto proibido, de modo que logo vai haver mais um assunto sobre o qual se pode falar outra vez. E que, quanto maior for o numero de assuntos sobre os quais se pode de novo falar, aos poucos vai haver mais conversa, vai haver também mais confiança e que, quando houver bastante confiança, eles podem se atrever a se aproximar do assunto mais perigoso e proibido de todos.

Lydia Davis, conto extraido do livro Varieties of Disturbance:Stories, sem tradução no brasil (pelo menos eu não achei numa busca rápida pela net), publicado na piauí dessde mes.
aqui link pros outros contos dela na mesma revista.

Um comentário:

Rev. Robinson disse...

Este conto é simplesmente maravilhoso. Ela é uma escritora incrível.